17 de setembro de 2011

Queimada viva

Autor: Souad
Género:
Biografia

Idioma: Português
Editora: Edições ASA
Páginas: 192
Preço: € 11
ISBN:  978-9-72-4136686-8
Título original: Burned alive



Avaliação: **** (bom)

Queimada viva é o testemunho de uma sobrevivente que, ao contrário de muitas mulheres na sua situação, conseguiu escapar à morte pelo fogo, encomendada pelos próprios pais.

É uma história de coragem mas também uma minúscula gota no oceano, pois, de entre milhares com a mesma sorte, conseguiu escapar ao Inferno e recomeçar uma vida.

Souad é uma palestina nascida numa família pobre. Não sabe nada do mundo, das pessoas que o habitam nem do que se estende para além da pequena aldeia onde reside. Pouco depois de deixar as fraldas já faz tarefas pesadas e conduz o rebanho da família. Elas e as irmãs revezam-se para fazer as refeições, tratar da lida da casa, cuidar dos irmãos mais pequenos e assegurar o cumprimento das tarefas de manufactura para alimentar o pequeno negócio da família.

Para o pai, Souad vale menos do que um animal. É espancada diariamente, não tem direito a conforto, leva uma vida escrava sem saber que há outras existências para além daquela que tem.

«Se o teu pai te disser “não saias deste canto a vida inteira”, tu ficas nesse canto toda a vida. Se o teu pai te puser uma azeitona no prato e te disser “hoje não comes mais nada”, tu não comes mais nada. (…) Essa forma de não-existência é cultivada ininterruptamente.»
À semelhança de muitas outras jovens, sonha em casar, na ilusão que terá uma vida melhor, quando na verdade só muda de carcereiro, porque o marido segue a mesma cartilha de abuso e violência.

«É uma coisa curiosa o destino das mulheres árabes, pelo menos na minha aldeia. Aceitam-no naturalmente. Nem nos passa pela cabeça revoltarmo-nos. (…) Apenas porque não temos outro sítio onde viver senão em casa do pai ou do marido. Viver sozinha é inconcebível.»

Saída da adolescência, Souad vive uma paixão pueril por um vizinho, a quem espia e com quem fantasia vir a casar. O rapaz apercebe-se e, entre encontros, têm relações antes do casamento. Souad engravida e quando o facto se torna visível, a sua família é desonrada.

Para "lavar" a honra, são os próprios pais a encomendar a morte da filha, pedindo a um cunhado que faça o previsto e habitual naquele caso: Souad é regada com gasolina e ateada com fogo. Tem uma gravidez em estado avançado.

Milagrosamente, mãe e bebé conseguem sobreviver, mas não sem antes conhecer os horrores de uma sociedade sem afecto nem carinho para com as suas mulheres: no hospital é deixada a um canto, com a carne queimada a apodrecer e sem os cuidados mínimos; a sua própria mãe tenta envenená-la.

Vale-lhe a SURGIR, uma ONG que a tira do país e lhe dá uma vida nova, mas sempre no maior secretismo, pois Souad é um alvo a abater pelos seus familiares, que não poderão erguer a cabeça enquanto a pecadora estiver viva.

A nossa narradora já é uma mulher de meia-idade quando escreve o livro e foram precisos anos para ter direito a um pouco de felicidade. Vive incógnita e com outro nome, sempre com medo que algum membro da família venha cobrar a dívida que ficou por saldar. Ficaram ainda as inúmeras cicatrizes físicas e psicológicas, impossíveis de sarar.

No final, ecoa o grito de revolta: todos os anos, milhares de mulheres são assassinadas, sem contar os imensos desaparecimentos e “suicídios” reportados que não são conotados como «crimes de honra», com os autores (todos homens) a serem considerados heróis nas suas aldeias, sem qualquer tipo de punição além de uma advertência verbal pelas autoridades do sítio.

A autora espera poder ajudar a parar este massacre com o seu testemunho e apela a quem de direito. Aconselho Queimada viva, embora não seja uma leitura de entretenimento. É um caso real e merece o respeito devido pela civilização ocidental, que sabe muito pouco destas barbaridades.

2 comentários:

Anónimo disse...

bom resumo

Anónimo disse...

Muito bom

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...