17 de novembro de 2012

The Ritual

Autor: Adam Nevill
Género:
Terror

Idioma:
Inglês
Editora: Pan Books
Páginas: 418
ISBN:  978-0330514972

Avaliação: **** (bom)

The Ritual é o primeiro livro que leio de Adam Nevill, um dos novos autores europeus de terror sobrenatural. Natural de Birmingham, Nevill estreou-se em 2008 com Banquet for the Damned e, 4 livros depois, conta com duas nomeações ao British Fantasy Society Award.

Sinceramente, não ligo a prémios nem a nomeações, mas perante um livro de mais de 400 páginas de um autor que nunca tinha ouvido falar, a nomeação ao prémio (que já distinguiu autores que gosto) foi o critério decisivo para trazer este livro.

The Ritual segue a história de quatro amigos que, sendo inseparáveis na universidade, decidem juntar-se após vários anos sem se verem. O destino é a Suécia e o plano é acamparem, percorrerem os trilhos locais e usufruírem da natureza e da companhia uns dos outros, redescobrindo os laços que os uniram antes.

Sem perder tempo, o livro começa com os amigos perdidos na floresta ao segundo dia de caminhada. A tensão começa a fazer-se sentir e os capítulos seguintes fazem uma retrospectiva do que os levou àquela situação. O leitor começa a perceber a ingenuidade e ambição do combinado; o nosso narrador, Luke, não se coíbe de partilhar o que lhe vai na alma.

Segundo ele, o problema começou com a escolha do programa. Dos quatro, apenas ele e Hutch (o mentor da viagem e o mais atlético dos quatro) estão minimamente preparados para a demanda física. Os outros dois amigos são trintões sedentários com peso a mais que se arrastam desde o primeiro dia. Apesar do reencontro ter sido preparado com meses de avanço e todos terem feito o compromisso de se prepararem fisicamente, apenas dois deles conseguem aguentar a estafa ao ar livre. Quando se perdem, as discussões passam a acusações e quando se deparam com um animal de grande porte pendurado numa árvore com as tripas de fora, começam a sentir-se ameaçados num sítio cada vez mais hostil (o frio, a chuva, o racionamento de água e comida).

A racionalidade e a calma dão lugar ao pânico e à medida que a acção avança, são revelados outros pormenores inquietantes. O livro é atmosférico, assustador em algumas partes, o que é bom. É interessante assistir como os quatro amigos se redescobrem como estranhos mas têm de se unir para sobreviver. Mas esta não é uma história onde os personagens se viram uns contra os outros. Aqui há uma mistura de Blair Witch e mitologia nórdica, onde não faltam florestas escuras, igrejas e cabanas abandonadas e muitas ossadas e runas; diversidade não falta e perigo também não, por isso a união é a chave, o que não se revelará nada fácil.

The Ritual é uma leitura viciante mas muito cansativa. Nevill arrasta demasiado a primeira parte da história e há muita repetição; revisitamos vezes sem conta noites chuvosas e privação de mantimentos, discussões e recriminações, choro e pânico. A tensão, apesar de bem explorada, é esticada até ao enjoo. 

A segunda parte do livro, com uma reviravolta interessante, é mais dinâmica mas não menos desgastante. São páginas e páginas de cenários carregados de descrições atmosféricas que pedem intervalo para descansar de tanta informação. Nevill criou um terror adulto e bem elaborado, algo raro nos livros de hoje, mas o livro peca por ser demasiado longo e chegamos a um ponto onde só queremos chegar ao fim porque simplesmente precisamos de um desfecho.

Certamente que lerei mais livros deste autor, que ainda não se encontra editado em Portugal. Porém, sei que não relerei The Ritual, a bem da minha sanidade.

Sem comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...